“A Paz esteja convosco”

Adoração Eucarística - Junho 2017

DIA VOCACIONAL DA FAMÍLIA CARMELITA DE FÁTIMA

I. Leitura bíblica

Da Epístola aos Hebreus (Hb 10, 11-18):

“Todo o sacerdote se apresenta cada dia para exercer o seu ministério e oferecer muitas vezes os mesmos sacrifícios, que nunca poderão perdoar os pecados; Cristo, ao contrário, tendo oferecido pelos pecados um único sacrifício, sentou-Se para sempre à direita de Deus, esperando desde então que os seus inimigos sejam postos como escabelo de seus pés. Porque, com uma única oblação, tornou perfeitos para sempre os que Ele santifica. O Espírito Santo também no-lo confirma, porque, depois de ter declarado: «Esta é a aliança que estabelecerei com eles, depois daqueles dias», o Senhor acrescenta: «Hei-de imprimir as minhas leis no seu coração e gravá-las no seu espírito, e não Me recordarei mais dos seus pecados e iniquidades». Ora, onde há remissão dos pecados, já não há necessidade de oblação pelo pecado”.

Meditação

De uma carta de Santa Isabel da Trindade:

“Quereria tanto consolar o meu Mestre mantendo-me sem cessar unida a Ele. Vou até fazer-vos uma confidência muito íntima: o meu sonho, é o de ser «o louvor de sua glória ». (…) Mas isto pede uma grande fidelidade pois, para ser o louvor de glória, é preciso estar morta para tudo o que não seja Ele, a fim de não vibrar senão sob o seu toque, e a miserável Isabel bem faz algumas maldades ao seu Mestre; embora Ele, como um terno Pai, lhe perdoe, o seu divino olhar purifica-a e, como São Paulo, ela tenta «esquecer o que fica para trás para se lançar para o que está adiante». Como se sente a necessidade de se santificar, de se esquecer para estar inteiramente de acordo aos interesses da Igreja… (…) Como é sublime, a missão da carmelita; a de ser mediadora com Jesus Cristo, ser para Ele como uma humanidade de acréscimo em que possa perpetuar a Sua vida de reparações, sacrifícios, louvores e adorações. Oh, rogai-Lhe que eu esteja à altura da minha vocação e que não abuse das graças que Ele me concede… Então, lanço-me Àquele que São João chama «o Fiel, o Verdadeiro», e suplico que seja Ele próprio a minha fidelidade!” (Ct 256)

Cântico

O Christe Domine Jesu, / O Christe Domine Jesu!

[1º momento de silêncio]

II. Leitura bíblica

Do Evangelho de S. João (Jo 20, 19-23):

“Na tarde daquele dia, o primeiro da semana, estando fechadas as portas da casa onde os discípulos se encontravam, com medo dos judeus, veio Jesus, apresentou-Se no meio deles e disse-lhes: «A paz esteja convosco». Dito isto, mostrou‑lhes as mãos e o lado. Os discípulos ficaram cheios de alegria ao verem o Senhor. Jesus disse-lhes de novo: «A paz esteja convosco. Assim como o Pai Me enviou, também Eu vos envio a vós». Dito isto, soprou sobre eles e disse-lhes: «Recebei o Espírito Santo: àqueles a quem perdoardes os pecados ser-lhes-ão perdoados; e àqueles a quem os retiverdes ser-lhes-ão retidos»”.

Meditação

Dos Escritos de S. João da Cruz:

“No Cântico dos Cânticos, o Esposo disse que a sua esposa havia de ser um jardim fechado, uma fonte selada (Cant 4, 12) a tudo o que nele pudesse entrar. Deixe-o, portanto, fechado, sem preocupação nem angústia. Aquele que entrou corporalmente onde os discípulos estavam com as portas fechadas e lhes deu a paz (Jo 20, 19-20) sem eles compreenderem ou entenderem que isso era possível e como aconteceria, também entrará espiritualmente na alma, sem ela saber como nem quando. Tendo ela as portas das potências, que são a memória, o entendimento e a vontade, fechadas a todas as apreensões, enchê-la-á de paz, inclinando-se para ela como um rio de paz, no dizer do profeta, retirando-lhe o medo e as dúvidas, a perturbação e as trevas que a levavam a desconfiar de que estava ou andava perdida (Is 48, 18). Não descuide a oração, espere em desnudez e vazia, e o seu bem não tardará” (3S 3, 5-6)

Cântico

A minh’ alma descansa em paz no Senhor, que é fonte de salvação./ Sim, só em Deus descansa a minha alma, nele encontra a paz.

[2º momento de silêncio]

v. Adorações anteriores

 

  [imagem: Jesus aparece aos discípulos, Rembrandt van Rijn (1606-69)]